Impactos da alta da taxa Selic na vida financeira individual. Veja quais são

Impactos da alta da taxa Selic na vida financeira individual. Veja quais são

Sempre há queda ou alta da taxa Selic, ela vira notícia em jornais, sites e canais de TV. Isso acontece porque esse índice afeta a economia em geral, incluindo o seu bolso.

Por isso, diante do cenário atual de aumentos constantes desse indicador, vamos explicar neste conteúdo como a alta da taxa Selic afeta sua vida financeira e o que você precisa fazer para evitar impactos maiores. Continue a leitura!

Como a alta da taxa Selic impacta na vida financeira das pessoas?

Descubra como a alta da taxa selic afeta sua vida

Numa definição mais ampla, a Selic é a taxa básica de juros da economia nacional. Já numa definição mais estrita, ela pode ser compreendida como o principal instrumento de política monetária do Banco Central (BC) para controlar a inflação.

É por isso que o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne a cada 45 dias para avaliar a situação econômica do país e, a partir disso, decidir qual será a taxa praticada naquele período.

Em cenários em que a inflação está sob controle, sempre há a expectativa de que a Selic seja mantida ou mesmo reduzida. Com isso, as operações de crédito no mercado ficam mais baratas, permitindo que empresas e consumidores tenham mais espaço para consumir, fomentando a atividade econômica.

No sentido oposto, quando a inflação dá as caras, o BC se vê obrigado a elevar a taxa Selic. Desse modo, contrair empréstimos ou qualquer outra forma de financiamento fica mais caro, o que reduz o consumo de negócios e famílias, fazendo com que os preços parem de subir a longo prazo.

Pense, por exemplo, que você quer financiar um carro: se os juros estiverem muito altos, é bem provável que sua chance de fechar o negócio caia, não é mesmo?

Assim, a concessionária vai vender menos, a fábrica produzirá menos veículos e não precisará contratar novos funcionários.

Esse efeito dominó faz com que a economia como um todo desacelere, puxando a inflação para baixo junto.

Em linhas gerais, esse é o papel da Selic e seu comportamento varia sempre de acordo com a inflação: quando os preços aumentam, ela sobe junto.

No entanto, ela também afeta diversos investimentos e pode representar um impacto significativo na sua vida financeira. Vamos explorar esses assuntos nos próximos tópicos.

Relação com os investimentos

Muitos investimentos tomam como referência a taxa Selic na hora de calcular a rentabilidade paga aos investidores. A caderneta de poupança, por exemplo, que é a aplicação mais popular entre os brasileiros, embora pouco rentável, tem seu retorno calculado a partir dela.

Quando a Selic é igual ou inferior aos 8,5% ao ano, a poupança rende 70% do índice. Já quando a taxa é inferior a esse patamar, o rendimento é 0,5% ao mês, mais a chamada Taxa Referencial (TR).

No entanto, muitos outros investimentos estão atrelados diretamente à Selic. É o caso de muitos títulos do Tesouro Direto, por exemplo. Quem investe nesse tipo de aplicação recebe mais quando os juros aumentam.

O mesmo vale para alguns CDBs (Certificados de Depósitos Bancários) que trabalham com indicadores que a acompanham, como é o caso do CDI.

Ou seja, o cenário da alta da taxa Selic torna alguns investimentos mais atraentes, fazendo com eles chamem mais a atenção dos investidores.

Impactos na estabilidade financeira

A Selic também pode afetar seu bolso, interferindo no valor que você paga de juros em empréstimos, financiamentos ou até mesmo na hora de parcelar aquela fatura do cartão de crédito atrasada.

Ou seja, se deixar as contas passarem da data de vencimento já não é bom, com a alta da taxa Selic isso se torna ainda mais perigoso para sua estabilidade financeira, já que aumenta o peso dos juros cobrados.

Apesar disso, essa relação nem sempre é direta. Há um intervalo de tempo entre alterações na taxa e essa mudança efetivamente chegar ao bolso do consumidor.

Isso acontece porque as instituições financeiras consideram outros fatores ao determinar o valor dos juros, e não apenas a taxa básica da economia.

Todavia, sempre vale acompanhar as mudanças feitas pelo Banco Central para escolher a melhor hora para fazer um empréstimo ou entrar em um financiamento.

Por que considerar a taxa Selic para fazer investimentos?

Para te ajudar, vamos repassar no que deve ficar de olho na hora de investir, tomando as oscilações da Selic como uma das referências a serem avaliadas, antes de escolher o destino do seu dinheiro.

Saiba tudo sobre a alta da taxa selic

Taxa Selic e renda fixa

Já mencionamos isso, mas vale reforçar: a Selic afeta aqueles investimentos que têm sua rentabilidade a partir da taxa básica de juros da economia. Assim, focar nessas aplicações em um cenário em que ela está elevada pode ser uma boa ideia.

Entretanto, é preciso ficar atento à inflação no mesmo período. Como a alta da taxa Selic quase sempre é reflexo de uma inflação mais forte, é preciso considerar o índice de aumentos de preços. Caso contrário, pode ocorrer que seu dinheiro perca poder de compra.

Taxa Selic e renda variável

Diferentemente da renda fixa, não há relação direta entre Renda Variável e Selic. De toda forma, indiretamente, a mudança nos juros pode afetar a rentabilidade desse tipo de aplicação.

Isso se dá principalmente no impacto que a taxa Selic tem na economia. Com juros alterados, pode haver aumento de demanda por determinados produtos e serviços, afetando o desempenho das empresas e de investimentos, como ações e demais títulos de renda variável.

Qual é a relação entre a taxa Selic e os seguros?

Com os juros mais altos, os seguros elementares podem se tornar mais interessantes, já que eles são um recurso extra de proteção para o consumidor, que pode ter dificuldades em caso de algum imprevisto.

Ou seja, para a tranquilidade de toda a sua família e do seu bolso, é muito mais confiável garantir a proteção de um seguro para assegurar o planejamento familiar das altas da taxa Selic.

Como evitar grandes impactos da taxa Selic na estabilidade financeira?

De modo geral, você deve acompanhar os valores para determinar os melhores investimentos para guardar dinheiro, evitar dívidas, principalmente quando os juros estão lá em cima, e manter um seguro no seu planejamento familiar para os momentos de aperto.

Com isso, você conseguirá lidar melhor com cenários de alta da taxa Selic e até mesmo tirar melhor proveito dessas situações, escolhendo aplicações mais rentáveis e atrativas de acordo com a situação.

Conseguiu entender um pouco sobre o tema? Que tal continuar aqui no blog para conferir qual o melhor caminho para a independência financeira?

Cadastre-se para receber atualizações por e-mail