Os principais desafios enfrentados pelos autônomos na pandemia

Os principais desafios enfrentados pelos autônomos na pandemia

O coronavírus (causador da Covid-19) trouxe impactos seríssimos para a economia mundial, afetando as atividades de muitos trabalhadores. Um grande contingente – sobretudo de autônomos na pandemia – se viu impossibilitado de desenvolver suas atividades e acabou perdendo suas fontes de renda.

Como mencionamos, isso foi muito mais sentido pelos autônomos na pandemia, que se viram (e ainda se veem) confrontados com uma série de desafios para manter as contas em ordem diante de uma situação atípica e com tantas consequências negativas. Por isso, aqui vamos falar sobre essas adversidades e o que é possível fazer para contorná-las. Confira!

Como a pandemia afeta os trabalhadores autônomos?

Entenda os desafios dos autônomos na pandemia

Seja por opção ou pela situação do mercado formal, trabalhar por conta própria vem se tornando comum nos últimos anos, devido a uma série de fatores. Alguns deles são a lentidão da recuperação econômica e a adoção de novas tecnologias em cada vez mais setores.

Para ter uma ideia, no quarto trimestre de 2020, o número de trabalhadores nessa condição era de 22,7 milhões, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Muitas pessoas, inclusive, encontram no trabalho autônomo a liberdade necessária para desenvolver suas atividades para empreender e conquistar rendimentos maiores do que aqueles obtidos num trabalho com registro formal.

No entanto, toda a perspectiva de crescimento foi comprometida pela pandemia e as ações necessárias para contê-la. Isso, como já sabemos, envolve a implementação de práticas que afetam a atuação de diversos ramos da economia, principalmente daqueles que envolvem o contato próximo de pessoas. Como exemplos, temos os setores de comércio e a prestação de serviços.

Logo, o nível de incerteza para o negócio desses profissionais está num patamar poucas vezes visto. Basta pensar em alguém que organiza festas de aniversário ou casamento: como a recomendação é evitar esse tipo de evento, esse profissional teve sua demanda cortada drasticamente, reduzindo sua capacidade de gerar receita.

Mesmo quem tem a possibilidade de desenvolver trabalhos autônomos dentro de casa, utilizando a internet ou outras tecnologias, viu-se diante de um cenário adverso. Pense em alguém que administra as redes sociais de várias empresas. Com o impacto na economia, esses negócios podem ter problemas e, para reduzir custos, cortar boa parte dos serviços contratados, incluindo aqueles reservados para ações nessas mídias.

Em resumo, essa situação provocou um efeito dominó que afetou a economia como um todo. Mas essa tempestade atingiu ainda com mais força os trabalhadores autônomos na pandemia, que, em muitos casos, tiveram uma redução brusca de demanda ou passaram a ter dificuldade em desenvolver seu trabalho.

Quais os desafios dos autônomos na pandemia?

Agora que entendemos um pouco melhor como a pandemia afetou a atuação dos trabalhadores autônomos, vamos destrinchar quais são os desafios presentes nesse cenário tão complicado.

Queda de faturamento

A queda de faturamento dos trabalhadores autônomos é constatável facilmente com uma análise de uma série de dados coletados nesse período. De acordo com estatísticas do IBGE, essa classe de profissionais foi bem mais afetada que a média do mercado de trabalho. Para eles, a redução nos ganhos foi 18,7% maior do que se comparada aos rendimentos médios dos demais trabalhadores.

Outra fonte reforça essa afirmação. De acordo com levantamento do Guiabolso, ainda no começo da pandemia, os trabalhadores formais tinham perdido, em média, 30% dos seus ganhos. Enquanto isso, para trabalhadores autônomos (incluindo informais ou que exercem suas atividades com registro de pessoa jurídica), o impacto foi de pouco mais de 37%.

Essas perdas se tornam ainda mais significativas quando pensamos que, em muitos casos, os trabalhadores autônomos contam com uma rede de proteção social menor devido à ausência de vínculos formais.

Adequação às novas normas sanitárias

Ainda que muitas restrições de combate à pandemia tenham sido relaxadas em alguns momentos, o chamado “novo normal” impôs uma série de novas normas que podem ter custos significativos para profissionais autônomos.

Quem trabalha com alimentação, por exemplo, pode ter que lidar com uma diminuição no espaço para atender os clientes ou ainda investir em serviços de entrega para continuar vendendo.

Disponibilidade de matéria-prima

Outro vilão para os custos do profissional autônomo são as matérias-primas. Durante a pandemia, muitos recursos ficaram escassos no mercado ou ainda viram sua cotação disparar, encarecendo o produto final.

Com isso, os profissionais se viram obrigados a repassar custos, afastando ainda mais potenciais clientes e perdendo volume de vendas, em um momento em que elas já não iam bem.

Como superar esses obstáculos?

Autônomos na pandemia: como superar a crise

A complexidade da situação torna impossível superar os desafios impostos com uma única solução. Mas a combinação de diversas iniciativas pode reduzir o impacto da pandemia sobre os profissionais autônomos, na expectativa de que a disseminação da doença seja controlada com a ampla distribuição das vacinas.

Enquanto isso, as alternativas são:

• investir em canais digitais de negócio;

• reduzir despesas;

• renegociar dívidas e prazos junto a fornecedores e a instituições financeiras;

• manter-se conectado aos consumidores com auxílio dos meios de comunicação disponíveis para conseguir mais clientes.

Se sua atividade ainda continua sendo desenvolvida presencialmente, reforce os protocolos de segurança para garantir a segurança dos seus clientes e de você mesmo.

Qual é a importância do bom planejamento financeiro?

Todas as ações para contornar as dificuldades do momento passam por um bom planejamento financeiro. Ele evita que você saia desse período com dívidas ao mesmo tempo que dá margem para investir em novas atividades para garantir outras fontes de renda.

Para isso, comece equacionando as despesas do dia a dia e elimine os excessos do orçamento, anotando tudo o que é ganho e o que é gasto. Em seguida, procure os credores para negociar os débitos que estejam em atraso. Se você conta com uma reserva financeira, talvez seja hora de utilizá-la, mas faça isso com parcimônia. Quando for possível, restitua-a aos poucos para futuras necessidades.

A vida dos autônomos na pandemia não está fácil. Contudo, com organização e planejamento, é possível atravessar o aperto e se posicionar de forma estratégica para obter o sucesso esperado quando a atividade econômica retornar com mais força. Por isso, mantenha o foco e não desista!

Pensando no futuro? Então, saiba como um profissional autônomo pode pagar o INSS por conta própria!