Como economizar dinheiro ganhando pouco

Como economizar dinheiro ganhando pouco

Muitas pessoas acreditam que não conseguem economizar dinheiro ganhando pouco. No entanto, muitas vezes, o que acontece é justamente o contrário: têm pouco porque não guardam dinheiro.

Em uma sociedade na qual o consumo é visto como um valor, sente-se incluído quem adquire produtos e serviços. Coisas que, muitas vezes, não são essenciais e, portanto, apenas atendem a uma demanda social.

Mas a lógica é bastante simples: quem economiza tem menores chances de precisar pegar dinheiro emprestado, e isso significa menos dinheiro gasto com juros. Além disso, o bom poupador também tem a possibilidade de fazer investimentos, que podem render uma boa renda extra.

É preciso vencer esse costume de gastar mais que o necessário. E, sim, é perfeitamente possível reservar um montante de dinheiro para guardar, mesmo que os rendimentos não sejam muito grandes.

E é sobre isso que vamos ajudar você a refletir neste artigo. Continue lendo e veja o que fazer para economizar dinheiro ganhando pouco!

Veja como economizar dinheiro ganhando pouco

A prosperidade está muito ligada à cultura de economizar

Estabelecer metas te ajuda a juntar dinheiro mesmo ganhando pouco

Os profissionais de finanças pessoais afirmam que a boa gestão do dinheiro não depende de quanto se ganha. Em outras palavras, uma pessoa que tem dificuldade para administrar o salário ganhando pouco, provavelmente, continuaria a ter problemas com dinheiro mesmo se passasse a ganhar mais.

Engana-se quem pensa que só consegue prosperar quem tem um grande rendimento. É óbvio que todos devemos nos esforçar para melhorar nosso salário, diversificar nossa renda, enfim, produzir mais ganhos. Agora, quando há o entendimento de que é preciso separar um pouco da renda para um reservatório, enraíza-se a cultura da economia.

Dessa forma, quando a vida financeira for melhorando, o costume de poupar e de investir já está incorporado aos hábitos. E aí a prosperidade tende a ser crescente e contínua.

E nunca é tarde para começar. O segredo é fazer mudanças graduais, observar os hábitos de consumo e praticar a economia pensando em metas de curto, médio e longo prazo.

O brasileiro e o hábito de poupar

Não pense que você é a única pessoa que tem dificuldades para economizar dinheiro ganhando pouco. Essa é uma realidade da maioria da população brasileira.

De acordo com um estudo realizado pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 67% dos brasileiros não poupam nada de seus rendimentos mensais.

Obviamente, não podemos deixar de considerar as condições socioeconômicas históricas do nosso povo. Porém, na complexidade do problema, há uma boa dose cultural. Precisamos debater mais sobre isso e conscientizar as pessoas de que o esforço para poupar também deve ser ativo.

Se você chegou até este artigo, veja-se como alguém que despertou para essa realidade e quer mudanças substanciais em sua vida. Comece hoje mesmo a poupar o que for possível.

Você vai ver como suas finanças vão se transformar — pouco a pouco, um passo por dia, um trajeto por mês. Seja realista e busque prazer em salvaguardar um percentual, por menor que seja, dos seus ganhos, visando benefícios futuros.

Dicas para economizar dinheiro ganhando pouco

Se você não ganha muito e tem vontade de organizar suas finanças, vamos provar nos tópicos que a poupança e os investimentos não são privilégios de quem tem muito dinheiro. Portanto, você vai conseguir economizar dinheiro ganhando pouco com essas dicas!

Faça um bom diagnóstico financeiro

O processo de equilibrar as contas pessoais não é muito diferente de quando estamos doentes e procuramos um médico. O profissional da saúde ouve as queixas do paciente e realiza exames com o objetivo de recolher informações que vão ajudar a fazer um diagnóstico.

Com o diagnóstico em mãos, o médico já sabe o que há de errado com o paciente e pode começar a aplicar um tratamento, prescrevendo remédios ou orientando a pessoa a adotar hábitos mais saudáveis.

Com as finanças, também precisamos colher informações para descobrir o que há de errado com as nossas contas. Esse diagnóstico deve ser preciso, já que ele é a fundação de toda a estratégia que será construída visando mudar nossos hábitos financeiros.

Olhe para a sua vida financeira atual e reflita sobre a maneira como está usando o dinheiro que entra. Pode ser um pouco doloroso num primeiro momento, mas encoraje-se; conhecer a raiz de um mal e trabalhar sobre ela é muito mais efetivo do que seguir apenas tratando os sintomas.

Anote todas as receitas

Você sabe quanto ganha e quanto gasta todo mês? Sabe em quais gastos a maior parte do seu dinheiro está sendo utilizado? Já pensou se realmente está sendo bem-remunerado por sua força de trabalho?

Essas perguntas podem parecer óbvias, mas é justamente aí que reside o perigo. Elas não são nada óbvias! Podemos afirmar sem medo de errar que a grande maioria das pessoas não sabe quanto ganha.

Isso acontece porque nem sempre o somatório de todos os valores que entram na conta bancária é o mesmo do que está escrito no contracheque. Temos que considerar todas as rendas, tais como a restituição do Imposto de Renda, bonificações, décimo terceiro salário, recebimento do PIS/PASEP, trabalhos autônomos, entre outros.

Ao observar isso, você vai começar a entender se faz sentido ter a renda atual. Pode ser um exercício interessante para sair da zona de conforto e olhar para o mercado em busca de uma nova recolocação profissional, por exemplo.

Registre todos as despesas

Da mesma forma como acontece com as receitas, também é preciso anotar todas as despesas para sabermos com exatidão para onde o dinheiro está indo. Essa costuma ser a hora em que a maioria das pessoas se surpreende.

Você já teve a sensação de que o dinheiro simplesmente sumiu da conta, quase como num passe de mágica? Isso acontece porque, em geral, temos alguma noção do quanto gastamos com as despesas maiores, como aluguel e contas, mas não mantemos nenhum controle sobre as despesas menores, como o cineminha, o barzinho, o cafezinho e por aí vai…

Nunca é tarde: incorpore a “liderança de contas a pagar” que está dentro de você e passe a tomar nota de tudo. Faça isso diariamente. Você pode usar papel e caneta, planilha de orçamento pessoal, aplicativos especializados… Não importa, apenas tome nota de tudo o que gasta.

Ajuste seu padrão de vida

Sabe quando você passa pela vitrine de uma loja e vê uma linda peça de roupa no mostruário, mas, já em casa, depois de ter realizado a compra, acaba se decepcionando com a aquisição?

Algo semelhante também acontece quando o assunto é finança pessoal. Muitas pessoas criam mentalmente uma imagem de sua situação financeira, que se assemelha a uma vitrine, e o resultado do confronto dessa projeção mental com a realidade são as dívidas, o que é uma verdadeira cilada para quem quer economizar dinheiro ganhando pouco.

Portanto, uma das maiores vantagens do diagnóstico é poder ter uma visão objetiva, baseada nos números, de nossa atual situação financeira. E isso deve servir de base para ajustarmos nossas despesas às nossas receitas, criando o que chamamos popularmente de padrão de vida.

Não seja apenas mais uma pessoa na multidão. Vença a lógica do senso comum de que você é o que você consome. Não, você não é o que consome; você é o que realiza, o que contribui socialmente e o que produz para seu avanço pessoal, para melhoria na qualidade de vida, da comunidade ao redor, do mundo.

Dessa forma, tenha em mente que seu orçamento deve ser montado de modo que cada despesa deve estar relacionada com uma receita. E que o seu padrão de vida deve condizer com essa relação entrada versus saídas. Não gaste mais do que ganha, nunca.

Não podemos comprar algo sem saber como faremos para pagar ou se temos recursos para pagar, não é mesmo? É isso que faz com que, no final do mês, não sobre nada na conta. Ou pior: que você feche o mês no vermelho.

Elimine gastos desnecessários

Não é fácil falar sobre gastos desnecessários porque isso varia muito de pessoa para pessoa. Entretanto, alguns deles não acrescentam absolutamente nada em nossas vidas, sendo um empecilho para economizar dinheiro ganhando pouco.

Se você extraiu valor dos conselhos que apontamos nos tópicos anteriores, terá mais facilidade para visualizar quais são seus gastos desnecessários. Eles, normalmente, estão ligados a caprichos que, muitas vezes, não fazem você avançar. Também têm intimidade com as compras por impulso, com modas passageiras, e por aí vai.

Quer um exemplo menos óbvio? Juros e multas! Não raro, as facilidades de comprar parcelando em 10 vezes vêm acompanhadas de sanções financeiras bem altas aplicadas sobre atrasos e refinanciamentos de dívidas… Há muitas situações que nos fazem pagar taxas desnecessárias que, pouco a pouco, vão comendo nosso dinheiro.

Por isso, a prioridade na hora de criar um planejamento financeiro deve ser pagar as dívidas. Organize seu crédito antes de começar a poupar. O alívio trazido por essa organização vai impulsionar você a poupar e ver suas finanças melhorando gradativamente.

Outros gastos que não acrescentam nada na vida – e só impedem de economizar dinheiro ganhando pouco – podem incluir excessos na conta de água e na conta de luz, por exemplo. Muitas vezes, deixamos equipamentos eletrônicos ligados por mero esquecimento e lavamos a calçada com a mangueira ligada, quando poderíamos fazer isso com um balde.

Faça listas de compras

Para economizar dinheiro ganhando pouco tenha controle sobre suas finanças

Uma maneira bastante simples de evitar gastos desnecessários por compras realizadas por impulso é listar o que você precisa comprar. Ao ir ao supermercado, leve sua listinha com todos os itens que realmente são importantes. Ao ir ao shopping, já saia de casa com uma lista das roupas e calçados de que realmente precisa.

Use o bloco de notas do seu celular. Antes de sair de casa, reveja sua lista e reforce seu propósito de só comprar o que está ali. Você vai ver que fica muito mais fácil escolher entre as marcas disponíveis, pesquisar, comparar preços e só levar o que realmente é importante.

Explore os sites de descontos

Não compre nada sem realizar uma boa pesquisa no Google. Isso é muito básico; a informação está na palma das nossas mãos.

Da mesma forma, explore plataformas e sites que oferecem cupons de desconto e cashback. Eles podem ajudar no exercício de economizar dinheiro ganhando pouco, pois você vai observar as ofertas e, em uma outra aba, verificar quais são os preços praticados no mercado em geral. Você nunca mais vai ser refém das falsas promoções, acredite.

Estabeleça metas e conscientize a família

Um ponto muito importante aqui é evitar a criação de metas excessivamente vagas e abstratas. Metas devem ser precisas e realistas. Isso significa dizer que devemos incluir valores, datas e prazos na construção dos nossos objetivos.

Um erro muito comum na hora de traçar metas é estabelecer que todo o dinheiro que não está comprometido com despesas absolutamente vitais deve ser economizado. Não é assim que funciona!

Temos que levar em consideração que, eventualmente, teremos despesas emergenciais e também gastos com lazer, presentes no Dia das Mães, no Natal, entre muitas outras coisas.

Por isso, as metas devem comportar uma pequena margem de manobra, sempre tomando o cuidado de não criar objetivos impossíveis de serem alcançados. Sabe por quê? Muitas vezes, acaba fazendo com que você fique frustrado por não conseguir cumprir o que foi planejado.

Da mesma forma, traga a questão da economia para o diálogo familiar. Tente conscientizar os demais membros sobre as metas que devem ser alcançadas em termos de economia.

Esforce-se para engajar seus familiares nesse esforço da maneira menos impositiva possível. Assim, as pessoas vão se sentir motivadas a contribuir por algo maior – economizar dinheiro ganhando pouco – do que simplesmente deixar de gastar.

Aproveite toda oportunidade de economizar

As chances de economizar dinheiro ganhando pouco estão em toda parte da casa e da rotina familiar. Vamos concluir este tópico com uma lista rápida de providências que podem ser tomadas para que despesas desnecessárias sejam eliminadas da sua casa, da sua rotina e do cotidiano de sua família. Veja:

• compre bem, ou seja, itens de qualidade, com boa durabilidade, que exijam pouca reposição ou troca em curtos intervalos de tempo;

• segure a vontade de comprar lançamentos, seja de roupa, seja de carro, seja de eletrodomésticos. Não banque o custo da novidade, seja paciente e aguarde passar a onda do novo. Em breve esse mesmo produto estará mais barato, simplesmente por não carregar mais a força da inovação;

• garanta o conforto, mas sem desperdícios. Mantenha luzes, ventiladores, aparelhos de ar-condicionado e aquecedores desligados, sempre que deixar os cômodos da casa;

• aproveite os benefícios dos cartões de crédito e transforme gastos em milhas. De uma forma ou outra elas são dinheiro, porque são moedas de troca por outros produtos, viagens ou descontos em compras ou uso de serviços. Uma ótima forma de economizar dinheiro ganhando pouco;

• acompanhe sua saúde, faça atividade física e frequente médicos e dentistas regularmente. Prefira investir em qualidade de vida para não se surpreender com despesas pesadas com consultas, tratamentos e medicação;

• opte por pagamentos antecipados de contas, sempre que previstos descontos. Mas, quando não houver redução do valor em função da antecipação, deixe para pagar no dia do vencimento. Cada dia que o dinheiro fica em alguma aplicação, ele renderá um pouquinho mais;

• evite pequenas despesas na rua, como lanches e compra de água mineral. Sempre que possível, carregue barrinhas de cereal, frutas e água com você;

• deixe de comprar produtos pela marca e privilegie o custo-benefício oferecido por ele;

• não compre aquilo que não terá utilidade imediata. Organize-se e consuma apenas aquilo que será utilizado a curto prazo. Evite gastar com o que você nem sabe se um dia será aproveitado;

• economize nos planos de celular, avaliando seu real consumo e necessidade de franquia de dados e de voz;

• no caso do lazer, priorize atividades gratuitas e fique de olho na programação cultural oferecida pelo governo ou fundações.

É comum a impressão de que esses pequenos gestos são sem importância. Mas esteja certo: trata-se de um grande engano!

Quando o assunto é economizar dinheiro ganhando pouco, ao contrário dos jargões populares, o importante é pensar pequeno. Cada centavo faz diferença, então foque, sim, as pequenas economias e as moedas que estão sendo guardadas, tendo paciência para ver o pouco virar muito ao longo do tempo.

Aplique o dinheiro e faça seu salário render mais

Vamos inverter esse título para ele fazer mais sentido! Fazer o salário render mais não significa aumentar o valor da renda, mas sim gerar mais renda a partir da aplicação da sobra conseguida à custa de economia!

Tudo o que foi colocado até agora caminha nessa direção. Cada dica aqui apresentada contribui para que, aos poucos, valores sejam economizados e possam ser aplicados em opções do mercado de investimentos.

Com o tempo, esse “bolo” cresce, graças aos juros sobre o montante acumulado, e uma luz no fim do túnel começa a surgir. Assim, aquele sonho de estabilidade financeira, especialmente para garantir a segurança da família e até a aposentadoria, começa a se tornar realidade.

E um alerta: quando falamos em poupança, não estamos falando da “caderneta de poupança” em si. Essa é uma das modalidades de investimento que menos rende, apesar de ser bastante segura. A referência é feita ao ato de poupar, tudo bem?

Então, vamos conhecer alguns tipos de investimento interessantes para economizar dinheiro ganhando pouco. Afinal seu seu rico dinheirinho suado pode render se pensarmos estrategicamente.

RENDA FIXA

São investimentos com remuneração definida já no momento da aplicação. O valor combinado é recebido, desde que obedecido o prazo de resgate estabelecido na contratação. Esses são investimentos de baixo risco.

FUNDOS IMOBILIÁRIOS

São uma espécie de condomínio de investidores. Nos fundos imobiliários, os participantes são atendidos por gestores especializados que pegam o montante investido por todos para fazê-lo render.

CERTIFICADO DE DEPÓSITO BANCÁRIO (CDB)

São títulos de baixo risco que os bancos emitem para captar dinheiro de pessoas comuns. Há remuneração com juros, de acordo com o valor aplicado. Podem ser pré-fixados ou pós-fixados, sendo que nos pré já se sabe quanto vai receber no vencimento.

TESOURO DIRETO

Ao investir no Tesouro Direto, qualquer pessoa física pode adquirir títulos públicos, com baixíssimo risco e boa rentabilidade.

PREVIDÊNCIA PRIVADA

É uma forma de guardar dinheiro e deixá-lo render para, ao final de determinado tempo, a reserva composta servir para suprir alguma necessidade maior (em um saque único) ou prover renda mensal — nos mesmos moldes de uma aposentadoria.

O investimento em previdência privada é seguro, sendo possível escolher o tipo de fundo que deverá compor a carteira de investimentos, de acordo com o perfil do investidor: conservador, moderado ou agressivo.

Existem opções para investimento a partir de R$ 100 ao mês nas instituições financeiras e de R$ 30 no Tesouro Direto. Quanto maior o valor inicial, geralmente maior é a rentabilidade da aplicação.

Vale a pena conferir as regras de cada modalidade e aderir à(s) que melhor se encaixa(m) à sua condição financeira e disciplina para poupar.

Quando vier à sua mente o pensamento de que é impossível economizar dinheiro ganhando pouco, em função do alto custo de vida atual e da baixa renda individual ou familiar, pense em um ditado popular: para tudo tem um jeito, só não há jeito para a morte.

E, no contexto deste post, até para a morte há jeito sim. É possível contratar seguro de vida para que a família fique protegida na falta do provedor ou, pelo menos, para facilitar os trâmites e custear as necessidades que vêm junto com esse momento tão delicado da vida. As mensalidades podem ter valor baixo, a partir de R$ 50, por exemplo.

AÇÕES

Tipo de investimento de renda variável, sujeito às oscilações do mercado, mas que está entre os mais rentáveis. Entre os benefícios desse tipo de investimento estão: facilidade de negociar ativos, possibilidade de iniciar com pequenas quantias e de investir em diferentes empresas brasileiras e estrangeiras (diversificando a carteira). Porém, exige mais estudo e conhecimento especializado.

Seja ambicioso, mas tenha os pés no chão!

Falamos sobre ajustar as despesas de acordo com as receitas, criando um padrão de vida sustentável, e também sobre como devemos estabelecer metas financeiras para avançar nossos projetos de vida.

No entanto, uma das coisas mais importantes para quem quer administrar bem o seu dinheiro é saber equilibrar esses dois valores. Viver de acordo com o seu padrão de vida não significa dizer que você não possa ser uma pessoa ambiciosa.

Sabe aquele smartphone de última geração que custa uma fortuna e é um sonho de consumo? Bem, podemos utilizar esse exemplo para dizer que existem dois tipos de pessoas no mundo.

O primeiro diz “é muito caro e não posso comprar”. O segundo, reconhecendo que é caro, diz: “O que eu preciso fazer para comprar?”. O segundo exemplo representa o homem ambicioso e este, por sua vez, se divide em mais dois arquétipos.

O que procura sempre o atalho (cheque especial, pagamento mínimo da fatura do cartão etc.) e o que segue pelo caminho das pedras (poupança e boa gestão financeira).

Assim, a dica final é: seja ambicioso dentro das suas possibilidades e, agora que você já sabe as melhores dicas de como fazer para guardar dinheiro, fuja dos atalhos!

E aí, ficou animado para mudar de vida e começar a poupar? Então entre em contato com a equipe MAG Seguros e descubra como podemos ajudá-lo!

materiais educativos

Cadastre-se para receber atualizações por e-mail