Tudo o que você precisa saber sobre a previdência privada infantil

Tudo o que você precisa saber sobre a previdência privada infantil

Não tem jeito: uma das maiores preocupações dos pais é quanto às possíveis incertezas sobre o futuro dos filhos. E é por isso mesmo que a previdência privada infantil tem se tornado um investimento tão atrativo.

Trata-se, afinal, de uma ótima solução para dar suporte em longo prazo, suprindo necessidades em fases fundamentais da vida de qualquer pessoa.

Se você está considerando fazer esse investimento, mas ainda tem muitas dúvidas, não se preocupe. No post de hoje, vamos ajudá-lo a esclarecer aquelas questões mais recorrentes a respeito da previdência privada infantil.

Confira cada tópico e, se ainda restar alguma questão, saiba que você pode sempre entrar em contato conosco! Vamos lá?

O que é a previdência privada infantil?

Assim como existe a previdência social, regida pelo Governo Federal por meio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), existe também a previdência privada.

Trata-se de um tipo de investimento que serve de aposentadoria, construída com base nas contribuições feitas pelo titular. É mantida por uma instituição particular.

A previdência privada infantil nada mais é que uma modalidade desse investimento, só que destinada especialmente a menores de idade. A ideia é que sirva de base financeira para seu futuro.

É contratada pelos próprios pais ou por quaisquer terceiros que se preocupem com a estabilidade da criança em longo prazo.

Assim, um avô pode contratar uma previdência privada para seus netos, bem como uma tia pode fazer esse investimento para seus sobrinhos. Na verdade, qualquer pessoa, independentemente de ter vínculo familiar com o menor ou não, pode providenciar esse cuidado.

Como esse tipo de investimento funciona?

De olho no futuro das crianças? Contrate uma previdência infantil!

A previdência privada funciona com base em contribuições mensais, que são geridas pela instituição administradora para, no futuro, formar um fundo de previdência para seu filho. O resgate pode ser feito de uma só vez ou em forma de aposentadoria vitalícia.

Isso significa que não é obrigatório converter a previdência privada infantil em aposentadoria. Você pode contratá-la como forma de planejamento para momentos importantes da vida da criança, como a faculdade.

Da mesma forma que a modalidade para adultos, há dois tipos de benefícios: o PGBL e o VGBL. Conheça suas particularidades!

Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL)

O PGBL é classificado com um plano de aposentadoria complementar. Nele, o Imposto de Renda incide sobre todo o valor que será resgatado. Por isso, as contribuições mensais podem ser deduzidas na declaração do IR, desde que até 12% dos rendimentos anuais.

Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL)

Formalmente, essa modalidade é um seguro de pessoa. O desconto do Imposto de Renda não incide sobre as contribuições, mas apenas sobre os juros acumulados. Por essa razão, ele não pode ser deduzido no cálculo do IR devido.

Quem pode contratar a previdência infantil?

A contratação pode ser feita pelo responsável legal de um menor de idade, que pode ser um de seus pais, seu tutor ou curador legal. É ele quem tem autorização legal para fazer movimentação nas reservas de uma previdência privada infantil, tomando decisões como:

• solicitar resgates;
• pedir a portabilidade para outra entidade;
• atualizar endereço residencial.

Na prática, não é só o responsável legal que pode contratar uma previdência privada infantil, mas qualquer pessoa. Para isso, porém, é preciso ter uma autorização desse responsável.

Nesse caso, o contratante é chamado de responsável financeiro. Os dois assinam a proposta de contratação do benefício e não existe nenhum tipo de limitação para o contratante, que pode ter qualquer idade, profissão e grau de parentesco.

O responsável financeiro, por sua vez, pode fazer alterações no plano de previdência, mudando, por exemplo:

• a periodicidade;
• a forma de pagamento;
• o valor da contribuição mensal.

Nesse caso, quem pode declarar o pagamento das contribuições mensais para dedução no Imposto de Renda é o responsável financeiro. O CPF do responsável legal pode ser usado se a criança ainda não tiver o seu.

Caso o beneficiário tenha 16 anos ou mais, ele também assina a proposta, em conjunto com os contratantes.

Quais os benefícios desse investimento?

Descubra os benefícios da previdência privada infantil

A lógica é simples: quanto mais cedo alguém começa a fazer as contribuições, maior será o valor a resgatar. Isso porque os rendimentos são calculados de forma composta.

Assim, a cada mês, os juros que o dinheiro rendeu passam a fazer parte do saldo principal, entrando no cálculo dos juros do próximo mês. Por isso, o melhor é dar início a uma previdência privada ainda na infância.

Esse tipo de investimento é seguro, regulamento pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) e tem um ótimo índice de retorno. Vale a pena pesquisar suas opções e fazer simulações online para comparar as taxas e os custos nas diferentes instituições.

Dessa forma, você pode mensalmente formar uma reserva que, quando resgatada, vai tornar seguros os momentos mais importantes na vida do seu filho, como:

• o ingresso na faculdade;
• a abertura de um negócio próprio;
• o casamento;
• um intercâmbio;
• a compra do primeiro carro.

Além disso, como as regras da previdência social sempre podem mudar, o ideal é não contar só com ela. Definitivamente, vale a pena tomar precauções extras! Portanto, também é uma boa ideia optar pelo resgate em forma de renda vitalícia.

Como é feito o resgate?

Da mesma forma que a previdência privada para adultos, o resgate da previdência infantil pode ser feito de uma só vez, com o beneficiário recebendo todo o valor acumulado e seus respectivos rendimentos.

Ele pode ser feito quando a criança alcançar a maioridade ou estendido por mais tempo. De toda forma, aos 18 anos é ele quem passa a controlar o plano, podendo resgatá-lo quando bem entender, ok?

Como dissemos, não é obrigatório haver um único resgate. Seu investimento de hoje pode se tornar uma previdência complementar para que seu filho comece a ter uma renda extra vitalícia aos 35 anos, por exemplo — muito mais cedo que uma aposentadoria por idade ou tempo de serviço.

O mais importante é pesquisar as opções de previdência privada infantil, fazer simulações e escolher uma empresa confiável para planejar o futuro do seu filho.

Existem vários tipos de benefícios, com diferentes opções de rentabilidade e investimento mensal. Escolha aquele que mais se encaixa nas necessidades e características da sua família!

Quer uma dica? Entre em contato com a Mongeral Aegon, consulte as opções disponíveis e planeje cuidadosamente o futuro da sua família com a ajuda de nossos especialistas!

Cadastre-se para receber atualizações por e-mail